Quero aprender sobre servidores Linux, mas vivo no Windows!

Quando comecei a ter interesse por Linux, eu não sabia por onde começar. Tive contato com um livro chamado “Universidade hacker”, que falava muito sobre o tal do Linux, mas nunca havia tido contato com o sistema. Com o passar do tempo tive contato com distribuições para desktop (usuários finais) e posteriormente para servidores, o que me levou a uma conclusão: Se é possível fazer com Linux, por mais que seja um pouco mais difícil (por falta de costume, e não por pura dificuldade), aprenda, faça no Linux e deixe o Windows de lado.

Existem diversas distribuições de Linux que são voltadas para servidores, porém a que mais gostei (até o momento) foi o Debian, o qual é “pai” do Ubuntu e do Ubuntu Server. Aqui no blog, quero ensinar da maneira mais simples possível, para que você entenda o conceito do sistema e veja que é muito mais fácil do que muita gente fala por ai.

Primeiro contato: Windows vs Linux

Primeiro contato Linux

O Windows está na boca do povo, no notebook do trabalho, no computador dos filhos ou até mesmo no servidor de arquivos particular. Isso porque, é um sistema que é vendido junto com os equipamentos (famosa venda casada) e muitos de nós tivemos o primeiro contato com um computador que já vinha com o Windows instalado. No meu caso, foi o Windows 98.

Aliás, minto, meu primeiro contato foi com um computador da escola, que tinha Windows 95 e o gabinete tinha o botão “Turbo”. O Windows 98 veio junto do primeiro computador que meu pai comprou. E outros computadores com os quais tive contato, também tinham o Windows instalado.

Fiquei sabendo do Linux através de um livro (que tenho até hoje), chamado “Univerdade Hacker”, que vinha com algumas distribuições Linux, porém não consegui instalar nenhuma. Agora não me lembro se foi por falta de pesquisa, por dificuldade na instalação das distribuições que acompanhavam o livro, ou simplesmente falta de interesse.

Depois de alguns anos, fui trabalhar em um mercado (inclusive, ainda trabalho em mercado, porém em outro), e lá tive contato com o Slackware, que era utilizado na frente de caixa. Desde então fui me aprofundando (forçadamente) com distribuições Linux. Após este mercado, trabalhei em uma empresa que fazia atendimento a grandes hotéis em São Paulo, cuidando da rede wi-fi (wireless) para hóspedes. E lá tive contato com o Debian (distribuição da qual vamos falar muito aqui no blog, muito mesmo!).

Depois desses dois contatos com Linux, basicamente minha carreira gira em torno do Linux. Afinal de contas, agora utilizo Linux diariamente, implanto diversos recursos em servidores Linux e mantenho estes servidores em bom funcionamento.

Windows pago vs Linux gratuito

Linux gratuito ou Windows pago

O Windows é um sistema operacional que pode custar mais do que o notebook ou computador que você está utilizando agora. Recentemente entrei na Kabum e observei que o Windows 7 Professional de 32 bits estava custando mais de R$ 600,00 e a versão de 64 bits custava alguns reais a mais. As versões mais recentes, como Windows 8.1 e 10, também na versão Professional, tinham praticamente o mesmo preço. Apenas a versão Home do Windows 10, era mais barata, mas ainda custava mais de R$ 400,00. Você precisa do Windows server? Então prepare-se, pois no dia que olhei, a versão “Foundation” do Windows server 2012, que é a mais básica (para não falar ralé), custava mais de R$ 1200,00.

Enquanto isso, o Ubuntu, uma das distribuições mais populares para desktop, custa o tempo para download, somado com o valor de uma mídia, o tal do DVD. E o Debian, uma distribuição também utilizada em desktops, mas que é mais comum ser encontrar em servidores (lembra que falei que o Debian é o “pai” do Ubuntu?) tem o mesmo custo (tempo de download + mídia).

Como falei anteriormente, a licença do Windows pode custar mais do que o computador que você está utilizando, por isso existem versões “capadas”, como a starter no Windows 7, que tem um custo bem menor e é muito limitada. Mas também temos a questão, que as empresas consegue uma licença mais barata do que você conseguiria comprando separadamente, mas ainda assim você está pagando pelo Windows.

Qual dos dois é melhor? Qual eu prefiro?

Escolher Linux ou Windows

É como eu disse nos primeiros parágrafos deste post, estamos condicionados a utilizar o Windows (devido aos fatos que citei anteriormente), e por uma questão de costume e consequentemente produtividade (Não entenda que o Linux não permite produtividade, mas sim que o costume e “automatização” de um processo aprendido em um sistema operacional, faria com que o mesmo processo fosse mais demorado em um sistema no qual você não está acostumado) , acabo utilizando o Windows em meu computador de trabalho (mas calma, não pare de ler aqui), no qual edito vídeos, fotos e etc. E em meu servidor, utilizo uma versão básica do Windows Server, que veio junto do servidor, porém em breve, migrarei este servidor para Linux (Debian), pois os recursos que utilizo no servidor, podem ser facilmente configurados e utilizados no Linux, e ainda conseguiria escapar das limitações do windows server Standard.

Quanto à desktop ou notebook, eu tenho utilizado o Ubuntu em um notebook e fiz dual boot (Windows + Linux) em meu desktop, também utilizando o Ubuntu.

Não tem como falar e afirmar frases como: “Windows é melhor” ou “Linux é melhor”. E não entenda como “falta de opinião formada”, na verdade é justamente o contrário, pois existem aplicações e tarefas que são mais fáceis e mais produtivas utilizando o Windows, e outras tarefas, que são mais fáceis e trazem maior produtividade utilizando alguma distribuição Linux. A verdade é que, depende do seu cenário, das suas necessidades, das exigências da sua aplicação, do quanto de verba você dispõe e do seu nível de conhecimento no sistema operacional.

“Reviver” computadores antigos

Carro antigo

Em alguns computadores mais antigos, é possível utilizar apenas o Windows XP, mesmo estando em 2016 e com o Windows 10 no mercado, porém um computador que mal roda o Windows XP, jamais irá rodar bem o Windows 7, Windows 8.1 ou Windows 10. A grande questão é que o Windows XP é um tanto quanto defasado, e consequentemente, vulnerável.

Enquanto isso, existem distribuições Linux baseadas no Ubuntu (Lubuntu, por exemplo), que tem interface gráfica mais leve e está em constante atualização. Ou você pode instalar o Debian net install, sem interface gráfica e com pacotes básicos, e personalizar sua distribuição, utilizando apenas os pacotes que você realmente precisa e a interface gráfica que mais te agradar, tanto em questão visual, quanto em questão de “pesar” para o hardware.

Até alguns dias atrás, minha mãe utilizava o Lubuntu em um Pentium 4 524 @ 3.06 GHz, com 1 GB DDR(1) 400 MHz e um HD de 80 GB. Ela utilizava normalmente para ver vídeos no YouTube, acessar o Facebook e fazer pesquisas. Ela só parou de utilizar este computador devido a diversas quedas de energia, que ocorreram em um mesmo dia, ferrando com o sistema (o que também aconteceria com o Windows XP, ou qualquer outra versão). Então substituí temporariamente o computador por um Pentium Dual-Core E5200, mas em breve vou instalar o Lubuntu novamente e voltar o antigo computador para ela. Diga-se de passagem, o Lubuntu roda melhor do que o Windows XP, é atualizado e não pega vírus como Hao123, Baidu e etc.

Leave a Reply